O que a Retenção de Talentos ganha com a IA e a ciência de dados

2
Share

O que a Retenção de Talentos ganha com a IA e a ciência de dados

A retenção de talentos sempre foi um dos principais desafios da gestão de recursos humanos contemporânea.

Afinal, uma vez que toda empresa é composta e movida por pessoas, como atrair, motivar e, ainda por cima, garantir que os melhores profissionais queiram continuar contribuindo com seu talento para o sucesso da organização?

Recentemente, um estudo realizado pela renomada empresa de consultoria McKinsey & Company detectou um número preocupante: apenas 3 em cada 10 funcionários de uma empresa se sentem integralmente engajados em seus trabalhos.

Como se não bastasse, o mesmo levantamento apontou ainda que

somente 21% dos profissionais sentem que seu desempenho está sendo corretamente avaliado por seus superiores, o que tem gerado, como consequência, uma natural sensação de não-valorização de seus esforços.

Desta forma, desmotivado e sem saber seus próximos passos dentro da organização em que trabalha, esse profissional começa então a procurar novos rumos para sua carreira fora dali.

E quando isso acontece, empresas de todos os portes e de todos os setores têm corrido o risco de perder verdadeiros talentos, pelo simples motivo de não reconhecê-los nem valorizá-los como tal.

Felizmente, esse cenário está mudando.

Com forte ajuda da Inteligência Artificial e da ciência de dados, novas ferramentas têm sido desenvolvidas para uma gestão de recursos humanos mais inteligente e eficiente.

Ferramentas que, com transparência e clareza, fornecem ao colaborador, entre várias outras coisas, feedbacks instantâneos e constantes sobre sua performance.

Assim, ao mesmo tempo em que a ferramenta reconhece e enaltece os pontos positivos de cada um, ela aponta também eventuais pontos de melhoria, servindo como central de informações colaborativa e de conhecimento útil para o desenvolvimento e aprimoramento profissional.

Com ferramentas como o Robbyson, por exemplo, a retenção de talentos passa de fato para um novo nível. Funcionando como um verdadeiro vetor de uma meritocracia efetiva, ela reconhece, valoriza e estimula constantemente pessoas dispostas a, com o seu talento, fazer cada vez mais diferença no sucesso da empresa em que trabalham.